A ciência e sua história

 

A ciência começou a existir para mim primeiramente através dos romances de ficção científica, depois através deles e dos filmes de ficção científica.

E ela se tornou algo mais tangível e técnico [extremamente técnico] durante a faculdade de Medicina Veterinária que fiz na UNESP-Jaboticabal (terminei em 1985).

Para de novo se tornar algo mais sério e lúdico [ao mesmo tempo] em meus estudos de
Homeopatia, da clínica homeopática e de pesquisas básicas em Homeopatia.

Mas o grande divisor de águas foi meu mestrado (2002) e meu doutorado (2010)
em História da Ciência (doutora pela PUC/SP).

Foi lá que descobri que não existia uma só ciência, existiam ciências, e que a definição
do que era ciência estava diretamente atrelada a de que época/período/local/modelo
de mundo estávamos falando.

E foi lá que descobri o que era considerar/descobrir/consultar as fontes
[livros, papiros, fitas cassete, pessoas, documentos e outros]
de onde vieram as idéias/teorias/práticas em ciências  e nas quais autores e
pesquisadores expunham/repercutiam suas idéias.

Também foi lá que definitivamente aprendi a força das palavras, dos estudos de
teorias/práticas, suas significações e repercussões.

E onde foi me mostrado (e vi na prática) a importância dos estudos de interfaces
e da transdisciplinaridade da e na História da Ciência, e dos estudos da epistemologia [Filosofia], da historiografia [História] e da Sociologia da Ciência para todos campos
do conhecimento em geral e para a ciência em particular.

E um ciclo se fechou, e me tornei também uma pesquisadora e historiadora da ciência.

.

.

.