Razão Pública X ‘Espertos’

.

Razão Pública X ‘Espertos’ – quando há o exagero da especialização?

.

.

Especialização é algo que se vê pesado desde o século XIX e ela em si não deve ser desprezada ou menosprezada, mas às vezes o problema a resolver está tão escancarado, e é tão óbvio, que se deve ouvir quem está no entorno do problema, e não quem está mergulhado nele.

Ou no mínimo consultar tanto um especialista, quanto um generalista.

E o porque disso? A grande crítica na formação de especialistas, e dos profissionais especialistas, é que na maioria das vezes os especialistas não levantam a cabeça para olhar o que está acontecendo fora de seu campo de “expertise”.

.

O que ‘vulgarmente’ se chamaria de olhar o todo, suas partes e seus processos,  e não só suas partes.

.

Uma boa metáfora para essa situação é  jogador de futebol que não levanta a cabeça para olhar para onde está indo e para onde está mandando a bola. Por melhor que ele seja, nunca vai ser tão bom quanto um jogador que olha para frente e para os lados antes de fazer a jogada, e que olha para onde está mandando a bola.

Um exemplo de agrupamentos de pessoas que resolveram “levantar a cabeça”?

Várias iniciativas visando melhoria do planeta estão indo a campo para resolver problemas. Cansaram de só ficar na zona de teorias/’teorismo’ e aderiram ao “aprender fazendo”.

Um exemplo que vem crescendo cada vez mais, em número de participantes e em relevância, é o Projeto Oásis, ligado ao Instituto Elos e aos Guerreiros sem Armas , e que foram apresentados aos participantes do II Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade em 2009, que tive a honra de participar como ouvinte.

E aí entramos em um outro “problema”: se não houver sempre um feed-back entre o que acontece no mundo real e entre os generalistas e os especialistas, em todas as áreas do conhecimento, os campos de conhecimento, e seus vários níveis, continuarão estanques, não fluídos, não trabalhando em rede (s), compartimentalizados. Em silos.

Vários profissionais, de diversas áreas, trabalhando junto por um projeto comum?
E todos entendendo o que todos estão falando?

Viva a ‘bendita’ atitude transdisciplinar aplicada à prática…

Mas há de se comentar que por mais que achemos que evoluímos muito ao tratar o conhecimento, se continuamos presos ao “princípio de autoridade do medievo”, ou seja, vamos seguir tal pessoa, tal “autoridade” cegamente, sem nada questionar, sem acrescentar nada…  de que serve a aquisição de conhecimento? 

E acrescento que embora seguissem muito o princípio de autoridade, no medievo também se discutia muito os conteúdos e as estruturas do saber, quem já estudou algo sobre lógica medieval, mesmo que de leve, sabe disso.

E nós na época dos trans isso, trans aquilo, se não tomarmos cuidado, nos colocamos na verdade numa ‘época das trevas iluminada’: muitos dados, muita informação, mas pouca articulação deles e dela, pouca articulação entre eles e tudo isso atuando como rio represado, que não vai a lugar algum.

No lugar de discussões muito conhecidas na área da epistemologia sobre o que viria primeiro, o racionalismo (o pensar) ou o empirismo (o fazer), deve-se lidar é com os fluxos entre observação + conhecimento + realidade e isso vale para especialistas e generalistas.
E netweavers …

Se fossemos castores, esta atitude de acumular ao infinito e represar rios ainda teria algum sentido…

.

.

Share

Deixe uma resposta